sábado, 27 de novembro de 2010

Sem título para isto


Todo mundo conhece aquela famosa frase, cheia de interpretações, de Sérgio Buarque de Hollanda: o brasileiro é um povo cordial.

Ele se arrependeu da dita frase que levantou tanta celeuma. Passou o resto da vida tentando explicar que o que ele quis dizer foi no sentido etimológico do termo que significa "relativo ao coração", e foi neste contexto que ele escreveu  que somos um povo movido mais a paixão, ao laços e vínculos do coração do que pelo racional.

O nosso povo é cordial ou ingênuo? E olha que pra mim, ingenuidade beira a cômoda alienação ...


A nossa cordialidade é que nos leva a crer que Deus é brasileiro e se Deus quiser tudo se resolve no final, mas o lance é cair no samba, com uma loira gelada na mão, porque a gente dá um jeito, jeitinho malandro é claro. Porque no final galera o lance é levar vantagem, né?   Não! Não é! É desse forma deturpada que enxergamos um país rico, cheio de potencial, mas doente em vários sentidos. Bichado.

Prova disto é esta situação no RJ.

Não estou aqui desmerecendo nenhuma ação dos envolvidos, aplausos para quem realmente leva a sério o seu papel de justiça e defesa para com o nosso país. Estes são os nossos heróis de carne e osso, filhos e pais de família, que estão lá  agora jogando com suas vidas nesta roleta russa de proteção.
Nós assistimos sob outras lentes distanciadas e que torna fácil julgar e dar pitacos. Sob outras perpectivas não somos tão neutros como pensamos, por que toda esta violência está na nossa porta todos os santos dias das nossas vidas que sobrevivemos sem um arranhão de agressão. Quando não vivenciamos certas violências já estamos no lucro. Olha o absurdo da frase, mas é o que muitos pensam ao finalizar mais um dia. Somos reféns e vítimas de várias situações.

 Esta guerra civil não é de hoje! E sim é uma guerra civil com outras roupagens. Não se iludam,deixem de ser os tais "cordiais" que não são levados a sério em outras partes do mundo.

Foi preciso demorar tantos anos, tanta escravidão, medo e terror, morte e violência para que as autoridades resolvessem agir? Sei de outras ações que já aconteceram, mas igual a esta, tão efetiva não.  Ou achavam que bastava ser um povo alegre, cordial e simpático para que as "coisas" se resolvessem sozinhas?

2 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Eu moro no RJ, e sei o quanto essa situação tem afetado a vida da população. Ontem, sábado, parecia feriado. Ruas vazias, sem trânsito, população com medo de sair mesmo!

Beijocas

A Flor do Sul - Perah Hadarom disse...

E não foi só isto que aconteceu recentemente no Rio de Janeiro. Não nos esqueçamos do oficial que agrediu fisicamente um jovem por ele ser gay. Tudo isso choca a nossa cosciência.

Apesar do nosso potencial e das nossas capacidades de nos destacarmos no cenário mundial em relação à cultura, à economia etc., ainda há algo errado conosco. O que será?