sábado, 7 de agosto de 2010

Um presente que só o tempo te dá


Ela sentou com a filha para tomar um café, num espaço na agenda atribulada das duas. Àquelas horas roubadas era um prazer para elas.

A filha ainda ficava impressionada com a facilidade da convivência agora entre elas. Afinal não moravam mais sob o mesmo teto.
E a mãe ainda se surpreendia ao olhar para aquela que seria a sua pequena para sempre.Vendo ali, na sua frente, a sua figura de anos atrás. A filha era um espelho para ela, mas não um reflexo ingrato do tempo, somente a sua figura repaginada. Aqueles mesmos olhos azuis transparentes, o mesmo corpo magro e longo de seus 20 e tantos anos e o brilho de um cabelo loiro quase platinado, herança dos traços germânicos da sua família paterna.

- Mãe, o passar dos anos tem seus privilégios. Não sei porque de tanta reclamação.  – disse Karen pensativa, tentado enumerar quais seriam já que ainda não tinha vivido este momento do tempo. 

- Tu não sabes o que fala! Ainda nem viveu tempo suficiente para abrirmos um fórum de debates sobre o tema. – disse Brigitte com um fio de sarcasmo na voz. Encolheu os ombros.

Trocaram de assunto e seguiram seus minutos preciosos entre um cappuccino e um pão de queijo naquela tarde de sol de inverno e frio lá fora.

Brigitte voltou para o consultório e entre dentes e aparelho, ficou martelando qual seria as vantagens da idade avançada, além das dores e limitações de um corpo cedendo ao tempo.

A tarde foi embora e a noite tomou conta do que foi o dia.

Quando chegou em casa, ouviu o som do marido aposentado traquinando com suas recentes incursões no mundo gastronômico. Deu três passos e ligou o aparelho da secretária eletrônica, subiu a escada embalada ao som da voz de sua melhor amiga de mais de 20 anos avisando que estava chegando ao Brasil.

Cheia de felicidade com a boa notícia, estancou entre um degrau e outro e percebeu ali o presente de se ter uma certa idade, a recompensa de uma amizade de longa data. Uma amizade de longa data só existe depois de muitos anos de respeito, parceria e reconhecimento.

Os anos são sábios – pensou .

Seguiu sorrindo de prazer.

9 comentários:

Heloísa disse...

Carolina,
O passar do tempo também nos reserva coisas boas.
Beijos.

Debor@h disse...

Carol,

As amizades verdadeiras sobrevivem longas datas e distâncias imensas e tem um sabor todo especial, nem o tempo pode apagar, e em casos assim o tempo não existe. Bjs e bom fim de semana!

Franck disse...

E amizade é um prsente de toda vida, assim esperamos, apesar de algumas se perderem nas esquinas da vida...
Voltando para tomar um café! Bj*

.ailton. disse...

realmente sair do mesmo teto facilita e muito a convivência entre pais e filhos.

E a amizade é como o bom vinho, quanto mais velha, melhor.

Ana disse...

Oi moça, que saudades de passar aqui. O bacana de ter filhos deve ser isso mesmo: se ver de forma repaginada. Li os últimos textos e adorei todos. Forte o da traição. Eu adoro a Lisa Minelli! rs
Assisti ao filme "The way we were" e lembrei de você. Achei um romantismo real tão bom.
Beijo grande,
Ana

adoroeponto disse...

Alguém disse uma vez que a juventude é um defeito que a gente conserta com o tempo.
E é verdade, não é? ;)

Renato Hemesath disse...

Oi Carol, como vai?

Ah eu acredito que seja a primeira crônica tua que leio. Certamente o tempo é sábio, tem toda razão. E além do mais, acredito que ele não seja sábio por si só... é preciso que venhamos anos permitir ser influenciado por seus efeitos!

Super abraços!

Valéria Martins disse...

Que lindo texto, Carolina!

A minha filhota está começando a ir para o mundo... 15 anos e meio, ano que vem ficará 6 meses fora do Brasil em um intercâmbio. É um momento especial, este de desligamento físico. Porque a ligação essencial permanece. Beijos!

Leila Brasil disse...

Que texto bacana. Lindo!
Eu me lembrei da canção do Caetano: Oração ao tempo.

"És um senhor tão bonito
Quanto a cara do meu filho
Tempo tempo tempo tempo
Vou te fazer um pedido
Tempo tempo tempo tempo...

Compositor de destinos
Tambor de todos os rítmos
Tempo tempo tempo tempo
Entro num acordo contigo
Tempo tempo tempo tempo..."

É um primeiro café que tomo aqui. Parabéns pelo blog