segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Xô! Buuuuu

Filme Monstros S/A 

Despendemos um bom tempo da nossa energia criando monstros na nossa mente.

Adubamos a erva daninha, cuidamos do tempo de semeadura que geralmente é duro para qualquer colheita e quando menos se espera o bichinho vira um monstro. Aí fica lá entalado entre o caminho do coração e da cabeça. Rodeando entre caminhos tortuosos, criando ciladas para o nosso imaginário.

Mas a melhor parte de toda esta técnica elaborada de tortura pessoal é quando nos deparamos com o tal monstro e descobrimos que ele não passa de um sonho, e na pior das hipóteses um pesadelo sem pé nem cabeça, que a luz do dia não causa o menor assombro.

Sábado encontrei um desses monstros que cultivei um certo tempo e me deu até dó da figura patética que o tal bichinho aparenta e pior, é. Me diverti observando aquele pseudo monstro que somente morava nos meus devaneios.

Valeu muito ter encontrado a figura. Passou de imagem 3D para um simples preto e branco em vídeo VHS dos anos 70.

11 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Sempre procuro enfrentar logo meus monstros, fantasmas do passado, coisas mal resolvidas, medos do que há por vir, exatamente por conta da nossa imaginação... Tudo que fica na nossa cabeça nos afligindo tomar uma proporção absurda, que geralmente não corresponde à realidade! Por isso é melhor enfrentar logo, abaixar e colocar a mão no ouvido, como se a bomba fosse explodir... eheheh

Beijocas

Heloísa disse...

Carolina,
Muito bom conseguir enxergar esses "monstros" na sua dimensão real.
bjs

Jaque ઇ‍ઉ disse...

Carol, fiz um post com o mesmo assunto... Ficamos cultivando coisas que não fazem diferença, mas se estão ali nos encomodam.

Hoje eu também dou risada desses monstros que eu criava. E realmente, dá pena...

Parabéns pelo texto e pela sua reação :)
Beijos!

Ana disse...

Adorei seu texto. Fiz terapia um tempo e lá designávamos os monstros como castelos.
Consegui desfazer alguns castelos e reconstruir alguns outros.
Mas o que vc disse é verdade: é um prazer incomensurável conseguir olhar de frente para algum medo que está mais dentro de nós do que fora e dizer: eu não tenho mais medo de vc!
Beijos,

VaneZa disse...

Uau!!!
Queria ser uma mosquinha pra ver essa cena... o seu fantasma em 3D reduzido a um filme em preto e branco.

Detalhe que faltou contar: O monstro te viu também?
O monstro ficou com a cara no chão quando percebeu que o 3D agora é você?

Muitas vezes coisas assim aconteceram comigo... algumas vezes os monstros não me viram, mas eu fiz questão de dar a volta, passar na frete deles e dizer: vacilou, não tenho mais medo de você!

BeijoZZz

Babi Mello disse...

oi! Carol, cultivar monstros acho que faz parte mesmo da nossa vida, não tem como e a cada monstro que conseguimos desfazer, aparecem outros, mas acho que faz parte mesmo, cultivarmos e só assim saberemos que somos capazes de seguir em frente no nosso caminho.
bjocas!

Denise do Egito disse...

Carol, minha querida
Adoro esse seu jeito metafórico de contar as coisas. Quanto ao tema em si, tb tenho meus fantasmas e, no fundo, tenho certeza que são apenas pseudomonstros iguais aos seus. Às vezes é até um alívio encontrá-los, não? Ainda tenho alguns por encontrar ou talvez nunca aconteça. Tento disciplinar a mente dizendo que quando a gente imagina muito uma coisa, ela quase nunca acontece (ou é).
beijos!

Ramonices disse...

O segredo é enfrentar o seu monstro antes que ele caia no esquecimento e volte quando menos esperamos...

Abraços Thiago Ramone.

Renato Hemesath disse...

Gente, que coisa intrigante.
Acho os fenômenos da imaginação uma das coisas mais singulares que existem, afinal... geralmente se trata daquilo que não compartilhamos, tem sentido apenas à quem cria, e tu tens toda razão, quanta energia depositamos à eles... e há alguns que nos acompanham por taaanto tempo!

Bom final de semana querida!
Beijos!

Dalva disse...

Incrível como deixamos simples lagartixas parecerem com dragões!

Beijinhos, boa semana!

Amica Philosophiae disse...

Olá Carolina,
Gostei muito do seu blog.
Já estou seguindo.
Um abraço
Cynthia