domingo, 17 de outubro de 2010

Comovente



No decorrer da semana ouvi e li relatos sobre as impressões de quem viu o filme Comer, Rezar, Amar:

Me inquietou.
Gostei mais do livro.
Achei parado.
Amei.
Me senti estranha.
Maravilhoso.

Fui pro cinema movida pela curiosidade de conferir se o gostoso livro que li no verão, tomando banho de sol, se uniria ao bom filme. Não me desapontei. Adorei a leitura, mas o filme me comoveu, a mistura de belas fotografias + uma ótima história verdadeira + o sorriso gostoso, a interpretação e aqueles olhos sinceros da Julia Roberts só podia dar no que deu: coisa boa. Não vou nem falar sobre a ala masculina, pra não deixar o povo salivando...

Numa determinada cena, fui surpreendida com as minhas lágrimas. Porque será que estava reagindo assim, tão comovida, tão tocada? Afinal já conhecia a história e o livro foi salpicado de bom humor na escrita.Olhei pro lado e vi que tinha um certo funga- funga geral. Por qual motivo?

Talvez porque Liz Gilbert acena, para quem tem sede de realmente se conhecer, de buscar suas respostas mais íntimas ( e olha que conheço pessoas que nem sabem dizer se alguma vez se questionaram sobre pontos existencialistas.Nem pensaram na palavra existência. Pasmem, é verdade!) e por conseqüência achar seu ponto de equilíbrio.

Talvez porque ela mostre que é possível, uma vez que ali não se encontra uma estória fictícia e sim algo de carne e osso, a possibilidade de irmos ao encontro de nós.

Talvez porque ela nos convide inconscientemente a sair em busca daquilo que mais desejamos, no mais recôndito da nossa alma, que é realizar nossos sonhos.

Sonhos, sabe? Aqueles bichinhos internos, que de tempos em tempos nos causam coceiras na mente e cócegas no coração.

Quem não viu ou leu. Vá ao cinema!
Vale a pena, nem que seja pra ver Bali com Javier Bardem com a elegante escolha de Bebel Gilberto cantando Samba da benção como pano de fundo ou a cruzada de olhares cheia de sensualidade de James Franco e a protagonista, no primeiro encontro deles. Uauuuuuu.

22 comentários:

Renato Hemesath disse...

Ah que interessante! hoje mesmo estava pensando neste filme. Uma amiga viu e gostou bastante. Embora ela não tenha lido o livro, suponho.

Acho muito honesto pensar a partir da percepção que você teve do filme, que nos faz querer sair e correr em busca daquilo que mais desejamos, no mais recôndito da nossa alma. Lindo e real.

Uma ótima semana, viu.

Beijos

Debor@h disse...

Carol tudo joia? Com certeza é um filme para refletir sobre quem somos e o que queremos, adorei o livro e o filme e como andava toda mal qd fui ao cinema, fiquei toda melancólica e depressiva, chorei feito besta naquele dia mas já passou hahah. Beijos e continuemos sempre em busca de nós e do que nos faz bem!

Dama de Cinzas disse...

Eu já ouvi de tudo sobre esse filme, nunca vi um filme causar opiniões tão diferentes... Confesso que estou curiosa!

Beijocas

VaneZa disse...

Hummm.também li várias opiniões sobre o filme. Mas queria tanto vê-lo só depois de ler o livro. Mas vai ser difícil... a tentação está grande... gente falando dele por todos os lados rs.

BeijoZZz

Nine disse...

Oi, Carol... comigo tudo bem!!! E tu menina? Dei uma sumida básica, muito trabalho e outras cositas más. De vez em quando ainda consigo chegar nos blogs... Saudade de aparecer aqui!!!

Agora, sobre o filme, é uma baita reflexão, né... não tem quem não se depare com algum momento do filme e faça comparações a si mesmo, é uma viagem pra dentro, com certeza. Na sala que assisti tb tinha "funga-funga" coletivo... rsrsrs. Sinal que algum efeito teve o filme sobre a maioria!

Menina, adorei essa tua frase aqui:

"Sonhos, sabe? Aqueles bichinhos internos, que de tempos em tempos nos causam coceiras na mente e cócegas no coração."

E não é que ela reflete exatamente o sentimento que ando tendo por esses dias... ehehe!

Mil beijos pra ti.

Franck disse...

Adorei tbém 'comer rezar amar', mas acho que pecaram no ritual brasileiro que não existe,né?
Qto ao post que coloquei hj, vc me deu uma idéia, quem sabe não volte com o casal da 'história quase azul' outro dia?
Bjs*

Ives disse...

Olá, fiquei curioso, rs abraços

Valéria Martins disse...

Querida Carolina, tudo bem?

Eu acho que o grande mérito desse filme e livro é ser a favor do amor. E mostrar que ele não cai do céu, é preciso se trabalhar e "limpar a área" para acontecer. É uma linda história, sem dúvida, capaz de acontecer com cada um de nós - desde que estejamos dispostos aos desafios no caminho.

A Liz Gilbert enfrenta esses desafios com muita coragem e disposição!

Sobre a viagem ao Sul talvez eu volte no fim de semana 8, 9 e 10 de Novembro. Aí, vou te avisar, tá?

Beijos!

Depois dos 25, mas antes do 40! disse...

Eu gostei do livro. Apesar de que, olhando com calma, tem horas que ele é meio fora da realidade. Mas no geral, acho que a mensagem dela é positiva.

Uma vez, li que o livro era ruim porque a única mensagem que ela passava é: fuja pelo mundo.

Não penso assim, mesmo porque acho que viagem é cura para tudo, mas vejo muita gente que não gostou muito do livro. Um monte não gostou do filme.

Mas... Eu vou! E sei que vou gostar. O importante é a mensagem final de: dê um tempinho para você pensar no que você é e no que você quer ser! Seja viajando para Itália ou para Buenos Aires, mas permita-se dar um tempinho a você mesma e seus reais desejos.

Beijos!

Julio Cesar disse...

Oii...vim retribuir a visita sempre querida de um novo 'leitor'.

Obrigado pelas palavras em seu comentário. Devido a compromissos diversos, incluindo a universidade, tenho estado um pouco ausente do blogger...mas sempre dando uma passadinha, ainda que rápido ou para ao menos atualizar alguma 'postagem'/comentário!rs...
normalmente respondo no mesmo post, mas como disse, ainda estou em dias sem tempo.
vou voltar aqui ainda esta semana e ler com calma e conhecer mais desse espaço, que por um rapida corrida com os olhos já gostei.
bjim
boa semana.
Julio

Elaine Crespo disse...

Carol!

Não se você sabe mais sou cinéfila e tenho um blog de filmes, onde relaciono eles com minha vida e um fotololog coma mesma temática!

Vou correndo ver o filme e comprar o livro.

Estou aqui cheia de problemas pessoais e de saúde!Por isso não saio tanto de casa.

Quanto ao conto 'Pôr-do-sol nas Montanhas' o próximo será o ultimo capitulo, não é nem que eu queira é que me falta tempo para escrever. Mas vamos torcer que Samanatha tome a melhor atitude e seja feliz!

Uma linda tarde!

Saudades!

Beijos
Elaine crespo

Dri Andrade disse...

Carol,
é verdade, esse lance de reforma é uma locura,mas quando acaba vale à pena né?
Realmente eu vi o filme e achei q deixou a desejar em alguns pontos, no entanto, continuo a dizer, vale à pena assistir, ele é bacana e tem belas paisagens.

beijos pra vc

Dri Andrade disse...

ahhh ia esquecendo, esse livro MULHERES,COMIDA E DEUS, é bom? vc ja leu? me fala um pouco dele fiquei interessada.

bjs

Denise do Egito disse...

Oi, Carol
Tivemos a mesma impressão, então. O filme também não me desapontou, embora um pouquinho longo... Ah, eu esqueci de comentar a Bebel Gilberto! Realmente, foi muito boa a escolha da música. Vc tem toda razão!
Há tanto o que comentar sobre o filme, né? E olha: sai em DVD no fim do ano. Será um dos meus presentes de Natal pra mim mesma =P
Carol, amiga, adere ao Twitter pra gente trocar figurinhas por lá =P
Um beijo pra você

Valdeir Almeida disse...

Você despertou minha curiosidade. Irei assistir ao filme.

Abraços e ótimo final de semana.

meus instantes e momentos disse...

Meio irreal, mas vou esperar o filme passar no Telecine, qdo começar a enjoar eu desligo a TV e durmo.
Maurizio

Carolina disse...

Oi Maurizio
Irreal? Porque? Você acha tão impossível a idéia de se achar por aí,trilhando novas estradas,novas aventuras?
Eu já vivi coisas assim,cruzar oceanos,desbravar terras limitadas até mesmo pelo idioma,ir embusca de algo não é algo remoto. Me procurar e estar aberta a novos caminhos,tem somente um nome: desacomodar.
Flertar com as aventuras é um convite difícil de recusar.

Dalva disse...

Oi, Carol!

Também já ouvi muitos comentários sobre o filme, e estou louca para assistir. Ainda não pintou a oportunidade e, para falar a verdade, estou pretendendo primeiro ler o livro para depois assistir o filme. Gosto de fazer assim, pois acho que dá mais certo!

Obrigada pelas dicas!

Bjs e uma semana de paz e luz!

Sara disse...

Oi Carol!
Estou louca pra ver este filme...
Bjs.

Dany disse...

Era louca pra ler esse livro, agora estou louca pra ver o filme! E depois do que você falou, a vontade só aumentou! ;)

Bjos, linda!

VaneZa disse...

Carolina... depois passa lá no blog pra ver o que disse sobre o filme.

BeijoZzz

Ana disse...

"Sonhos, sabe? Aqueles bichinhos internos, que de tempos em tempos nos causam coceiras na mente e cócegas no coração." Acho que foi por isso que saí me sentindo estranha do cinema. Sempre quis enfiar uma mochila nas costas e sair assim.A estranheza vem de ter tomado um tapa ao ver que isso é possível, sim.
Mas que ainda me falta coragem de largar tudo por tanto tempo. Por enquanto só consigo fazer isso por um mês! rs
Eu não li o livro por puro preconceito. Ele tava enquadrado como auto ajuda. Que coisa. A gente não pára de perceber que tem mania de rotular as coisas e de dizer que não gosta
sem provar antes. Vou ler agora, mesmo depois de ver o filme.
beijos