domingo, 5 de junho de 2011

Que venha a resposta.

Via blog Hannah and Brian


De que forma a resposta venha, não importa. Agora prefiro que se apresente logo.

Eu desejo com fome algo. Não com sanha, apenas faminta.
Mas nos últimos anos coloquei como condição que isto somente iria acontecer se eu fizesse outra coisa. O que você faz sob esta condição? Realiza o mais rápido possível a tal tarefa. Certo? Pois comigo foi ao contrário. Durante muito tempo empurrei com a barriga esta meta imposta. Postergando,adiando, colocando desculpas para iniciar no outro dia o tal projeto de vida. E os dias viraram noites e daí para meses e anos foi um salto. A essa altura você deve estar pensando: então ela não queria tanto a tal coisa. Sim, eu queria, eu desejo com todas as minhas forças! Faminta e sedenta. Mas quem é o nosso maior sabotador, quem nos engana com a maior facilidade para em nome do tal instinto de proteção se jogar em desculpas e ilusões em nome da sua própria preservação? Nós mesmos, os nossos melhores amigos e nossos piores inimigos. A dúvida é,fui minha amiga impondo regras porque no fundo eu sei que não conseguirei o tal desejo ou fui minha inimiga arrastando através de desídia e desculpas o objetivo final?

A meta em si não é impossível de ser realizada, mas quantas vezes posterguei e deixei de lado porque no fundo tinha medo de encarar que ela era só uma desculpa caso eu viesse a não conseguir o meu objetivo? E então fiz dela não apenas uma pedra,mas uma montanha,o meu monte Everest particular e inatingível.

Hoje percebo que inconscientemente fiquei transformando esta meta como algo difícil somente para dar razão a minha sabotagem pessoal,para reafirmar a cada momento que eu não era digna daquilo que eu tanto queria.Talvez com medo de enfrentar a verdade ou de encarar o desconhecido e ir a luta. Não sei, o que importa é que hoje comecei o processo de libertação das cláusulas impostas com roupagem ilusória sob o nome de “meta”’. Estou me desautorizando de realizar a tal meta escapatória e tentar achar a verdade por trás de tantos subterfúgios velados.

E que venha o que tiver que vir, mas não em silêncio acanhado. Com barulho, anunciando de vez a sua chegada, para que o embate seja mais prazeroso.

13 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Eu penso hoje e amanhã já to colocando em prática, sou assim com quase tudo, mas também tenho minhas auto-sabotagens... rs... No geral me arrependi de pouca coisa que deixei de fazer.

Obrigada pelo seu comentário carinhoso e por se colocar a disposição pra ajudar, isso fica gravado aqui dentro de mim!


Beijocas

Heloísa disse...

Carolina,
Muitas vezes as coisas acontecem assim mesmo.
Pretendemos algo, mas colocamos empecilhos, que servirão como justificativa, caso o pretendido não seja alcançado.
Beijo.

Nine disse...

Carol!!!
Que saudades eu estava do teu cantinho!!!

Agora, sobre a resposta, me vi ali, nas tuas palavras... sendo literal: quantas faculdades larguei pela metade, quantos cursos, quantos desejos e sonhos, viagens grandes, por simples medo de fracassar e, pior, ter que admitir que fracassei! Acho que é justamente aí que mora a auto-sabotagem (me esquece, nova lei ortográfica, me esquece... rsrsrs).
Agora, soltar as amarras é a prova definitiva de que deixamos de nos destruir inconscientemente, e passamos a assumir as rédeas da nossa vida!!!

Texto perfeito!
Saudades, amiga!!

Lu disse...

É verdade, Carolina... Nós somos nossos próprios inimigos, impondo limites, ditando regras, procurando desculpas, enfim fugindo de nós mesmos.
Bjs,
Lu

Debor@h disse...

Carol amiga,
As vezes colocamos tantos obstáculos em nosso caminho que acabamos desistindo antes mesmod e começar, acho que pode ser medo, insegurança, preguiça, eu sou preguiçosa nesses aspectos, acho que falta força de vontade, e depois fico com raiva de mim mesma hahah, a gente é um bicho complicado né, mas saiba que te dou força para seguir em frente, lutar por suas metas e se o resultado final sair ou não como vc esperava é outra coisa, o importante é que vc tentou, boa sorte viu, tô do seu lado mandando boas vibrações haha Beijão!

Emíliana disse...

Um prazer imenso te colocar no meu Blog no Ping Pong.Vc ja deve ter percebido que tenho uma visão contraria a ídolos e celebridades.Pra mim,meus ídolos e celebridades são pessoas do meu cotidiano.E vc passou a ser uma delas desde que ganhou a minha admiração pela tua maneira de ver as coisas e se expressar.
Obrigada pela tua participação: http://historiasdeemilia.blogspot.com/
Engrandeceu ainda mais o meu Blog
Bjkas

(Te convido a compartilhar o teu Ping Pong no teu blog)
Obs:Postei aqui o coments,pq não achei nada relacionado ao Ping na tua pag.

Emíliana disse...

Me sinto assim com algo que tinha como "meta" ha muito tempo.Mas,fui me acovardando e hoje em dia não tenho mais coragem de colocar em pratica e viver esse embate de que vc fala tão bem.
Quem sabe um dia,numa outra vida...
Boa semana,querida,e mais uma vez obrigada por passar no Ping Pong.
Bjka

Eloah disse...

É somos assim.Vamos deixando,achando desculpas e tudo isto ancorado no medo da mudança.A transição não é um estado confortável, mas a conquista que vem após, podes crêr é bem mais que tudo, é a gloria.
Parabéns pelo texto . Eu por minha vez atravessei a minha ponte. Vá em frente.Um grande abraço Eloah

Meire disse...

Olá, Somos nosso próprio obstáculo, nos sabotando e procrastinando coisas que podíamos ter feito lá atrás! Ficamos nos dando desculpas para tudo, quando seria mais fácil apenas ir lá e fazer. Muito bom esse post!
Te achei lá no Ping e pongue da Emi, gostei das suas respostas e principalmente da música que escolheu, eu não conhecia e adorei! Gostei muito do seu blog também :)
bjokitas!

✿ chica disse...

Oi, Carolina,

Vim lá da Emiliana pra dizer que adorei tua entrevista por lá.Bem legal!

Um beijos tudo de bom,chica

valquiria calado disse...

♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...
Toda palavra de amor é luz, então vim trazer-te pra o dia dos namorados um pequeno brilho pra semear no teu coração, meu carinho amigo.

♥...FELICIDADES PRESENTES E SONHADAS.

Eu cantarei de amor tão docemente, por uns termos em si tão concertados, que dois mil acidentes namorados faça sentir ao peito que não sente.
Luís De Camões
♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...♥...

Elaine Crespo disse...

Carol!

Bom dia!

Maravilhoso o seu texto. São verdades que escondemos de nós mesmos E quando somos colocados de frente para elas e tomamos consciência de que não somos aquilo que pensávamos.
Ai vem o questionamento que rumo seguir. Eu questiono tudo, até o inquestionável.

Parabéns!!

Uma linda semana!!

Beijos,
Elaine

Erika disse...

Que show este post! Fazemos tanto isso, nem sempre percebemos e quando percebemos, nem sempre fazemos algo para mudar. Parabéns, se joga!