sexta-feira, 17 de julho de 2009

Ilusão da recuperação


Um amigo ligou, aliviado, contando que finalmente deu um basta naquilo que já era, seu casamento.
Casou cedo, construiu uma carreira sólida, estava de bem com ele e seus feitos pessoais e profissionais, mas não com aquela pessoa que resolveu, muito cedo, viver.
Então depois de várias fases, na gangorra, finito.
Feliz e faceiro me disse que, apesar de nenhum arrependimento de sua vida a dois, queria muito recuperar o tempo perdido. Recuperar o que não fez entre os seus 20 aos trinta e poucos.
Fiquei ouvindo toda aquela euforia que por alguns momentos me pareceu meio placebo, pensei indecisa se falava, para não bancar a amiga-ducha-fria, mas amigo que é amigo tem, algumas vezes, de estender a mão e puxar o outro pra terra.
“- X, impossível recuperar o tempo perdido. Isto não existe! Quem sabe você parte do que tem e faz uma nova história, um novo capítulo?”
Não preciso dizer que daí pra madrugada tecemos vários discursos na nossa terapia de amigos.
Acredito nisto que falei e a liberdade na nossa relação me deu chance de dizer isto pra ele.
Na ânsia de viver tudo aqui e agora, o deslumbramento com as novas descobertas e possibilidades nos faz achar que o novo é novo, mas na real é somente o cotidiano com nova roupagem. Passados dois, três meses de muitas baladas e pegação tudo volta às mesmas porque as pessoas são previsíveis em certos aspectos.
A euforia é uma droga forte na passagem entre casadinho e solteiríssimo. Só que o barato como qualquer droga dura pouco.
Veja bem não estou levantando bandeira que estar casado, namorido ou namorando ( seja lá o nome que der a uma relação) é o que melhor existe no cardápio. Não! A melhor opção pra se viver a dois é quando estamos vivendo muito bem com a gente, então dá pra partir pra uma vida a dois. Partilhar a satisfação é um bem necessário. Lembrando que devemos ter alguém quando estamos bem.
Separou? Faz o enterro com o que ficou e o que foi embora seja a pessoa que construiu com você, um traste ou amor da sua vida., elabora o luto, mesmo que seja de dois dias ou um ano ( mais que isto é doença, amigo!), reza a missa de sétimo dia e aí vai viver a vida seja ela do jeito que você quiser. Só não acende vela pro defunto que periga a alma penada aparecer pra você.
A vida é sua, você paga as suas contas, o resto que se dane, benhê!
Segura a onda, a euforia e come pelas beiradas assim o risco de novas perspectivas com resultado zero, estatelado no chão, é mínimo. Lembra sempre: no desespero se faz péssimos negócios!
Sei que é difícil, com a carta de alforria em mãos, a borboleta voando no estômago e o mundo ali fora te convidando a experimentar o pecado que mora mais dentro da gente do que ao lado é tentador misturado a doses de medo e prazer.
Curte a liberdade, principalmente a liberdade de ser.
Aquela liberdade que dá vontade de sair pela estrada, nu de mão no bolso cantando laialaialaia.
Curta o seu tempo pra se achar dentro de você e quem sabe, numa quebrada dessas da vida, começar tudo de novo. A dois.

14 comentários:

Heloísa disse...

Carolina,
Você está se revelando uma conselheira e tanto. Gostei muito de suas colocações.
E essa cortina de borboletas, nossa, coisa mais linda.
Beijos.

Iêda disse...

Gostei. Belas palavras...
beijão

Babi Mello disse...

Começar tudo de novo a dois, achei muito bom isso e amigo serve para essas coisas mesmo para trazer a tona, colocar na real e vc fez o que é certo.
Bj!

Fernanda Pereira disse...

Pq a dois, querendo ou não, é sempre mais gostoso, desde que seja saudável!!!

Adooooro!!!

Bjs

Valéria Martins disse...

Concordo apenas parcialmente com quase tudo. Cada momento é um momento. A alegria e a euforia de se libertar de uma relação sufocante deve ser celebrada, sim. É um direito da pessoa. Mais adiante ela vai descobrir que isso passa etc, etc, etc.
Também acho o tempo de luto relativo. Tem um ditado que diz: "Nunca confie em alguém com menos de 2 anos de separado". Eu concordo!

Mas valeram as considerações. Beijos

Paulinha disse...

Esse café foi ótimo!!! Adorei.

Mônika disse...

"Amigo fiel é proteção poderosa, e quem o encontrar, terá encontrado um tesouro.
Amigo fiel não tem preço, e o seu valor é incalculável."

Feliz dia do amigo!

Gostei da sua posição.

Adriana Calábria disse...

Feliz dia do amigo.

E depois comento com mais calma. Esse post merece tempo pra ser comentado...

Bjsss

Carina disse...

amei teu post
arrasou como sempre
beijo

Nine disse...

Carol...

Um Feliz dia do Amigo pra vc!!!!
Amanhã volto pra ler com calma seu post, que cheguei a pouco, estou quase dormindo emcima do PC... rsrsrs!!!


BEijoooo

Dany disse...

Feliz dia do amigo pra vc tb, linda!
Super beijo

Monica Loureiro disse...

Voce já pode se considerar uma terapeuta de primeira, amiga...

Denise do Egito disse...

Carol,
Concordo com algumas coisas, discordo de outras. E que bom, né? =] Acho que alguém pode sim, ficar mais de um ano de luto (sem isso ser doença, viu, moça? hehehe). Assim como acho que ele pode ter uma vida totalmente diferente de agora em diante. Estar casado é tão diferente de estar solteiro. Ambas as situações tem seu lado positivo e negativo. Aliás, como tudo na vida.
Um beijo

Adriana Calábria disse...

Tempo é algo que não se recupera. Felizmente, novos tempos chegam com novas alegrias.

Eu procuro pensar que por pior que tenha sido a esperiência, não perdi meu tempo.Nada é só perdas, assim como nada, tem apenas ganhos.

Se no fim das contas, as perdas foram maiores que os ganhos, paciência!


Esse post foi dos melhores que já li aqui. Amei!

Bjsss