terça-feira, 27 de outubro de 2009

Você vai com os outros ou fica com você mesmo?



Todos os dias recebemos informações. Uma vez que as relações não são mais analógicas e sim digitais, despenca em cima de nós mil dados e fatos diariamente.

Fatos distantes e acontecimentos próximos. Além dos fatos de valor e peso que chega a nós, muitas informações precisamos peneirar. Já que a vida já não é mais tão privada, entre evasões e invasões de privacidade, estamos num reality show todos os dias, sem o bônus de um milhão no final.

Quando alguém conta um fato que desabona, que mancha a imagem e mexe com a reputação de um terceiro você acredita, fica desconfiado ou permanece com a sua opinião?

Você acredita no que vê ou no que te falam?

Pesa pra você o histórico daquela pessoa ou sai  julgando no impulso?

Eu não sou santa e muito menos a mocinha do passo certo, aliás perfil que não admiro, me dá nos nervos. Gosto de polêmicas porque sou em parte assim, mas é importante nos aperfeiçoarmos. É um dos objetivos de  estarmos nesta caminhada. Não sou politicamente correta, nem incorreta, rótulos bobos
 no final.
Dou minhas vaciladas e tal. Erro pra caramba, acerto mais um pouco e por aí vou na loucura de ser quem sou. Não tenho compromisso com as minhas opiniões, não tenho certezo de nada, tudo pode mudar. Nada é estático, tudo é dinâmico. Meu compromisso é com os meus valores e atitudes como geradores de resultados. Mas tento sempre ser imparcial, nem justa nem injusta, mas reta nas minhas idéias e conceitos.

Porque ser assim? Talvez porque já tentaram me definir, me etiquetar baseados em fatos visto somente de um ângulo. E como diz aquele velho ditado, toda moeda tem dois lados.

Aprendi a analisar quem está me trazendo a fofoca, o fato ou seja lá o nome que daremos. Este alguém mexe com o meu horizonte de compreensão. Me faz recuar, me força a ficar em stand by. Quem me afeta não é o alvo da fofoca e sim quem traz ela. Enquanto a pessoa fica naquela verborragia, permaneço quieta pensando, em estado de letargia, emitindo alguns grunhidos para parecer participativa. Claro que eu tenho interesse na vida, mas ando (ou sempre fui?) meio autista, mais interessada no meu mundo particular e no que posso fazer com ele. Sou empática, me envolvo com as pessoas, mas num outro nível. A minha sede por pessoas  é de conhecimento e não de invasão. Sendo assim, devaneio um bocado nestes momentos. Acabo analisando mais o mensageiro do que o alvo em si.

Claro que somos humanos e todos somos chegados em novidades com sobrenome de fofoca. É normal. Somos curiosos por natureza, mas daí mudar a minha opinião sobre alguém em cima de fatos contados e não visto por mim, fica complicado. Aí não dá, galera. É demais. E se for realmente verdade, toda história tem várias versões e motivações. Procuro não julgar antes de me certificar.

A verdade não é absoluta, não é única. A sua verdade pode não ser a minha e vice versa. E vamos seguindo o baile.

Se é alguém que não faz a mínima diferença deixo quieto, mas se for alguém que de alguma forma mexe com o meu mundo particular prefiro fazer o filtro e tentar através de outros caminhos analisar, com distanciamento e neutralidade. Então poderei dizer que contra dados e fatos não há argumentos.

É assim pra você?

16 comentários:

Heloísa disse...

Carolina,
Você tem razão. Não podemos formar um juízo, ouvindo só um lado. E se percebemos que se trata de fofoca, devemos ignorar de imediato.
Quanto ao comentário que você deixou no meu blog, falando sobre ouvir tango na Argentina, já fui sim. Aliás algumas vezes, porque adoro.
Dê uma olhada no meu blog de viagens. O endereço está no Blog da vovó...mas não só. Em todo caso, repito aqui: helofoto.blogspot.com
E´só procurar Buenos Aires.
Beijo.

Teórico disse...

Vc é como eu, também não gosto de pessoas certinhas, adoro uma boa polêmica. Mas não... não gosto do disse-me-disse, e nem de boatos. Eu raramente dou atenção a isso, apenas quando me atinge diretamente, é claro, mas não sou de sair acreditando em tudo, eu prefiro ir checando devagar e bem do meu jeitinho, sempre descubro as coisas.

Acho que sou um descendente de Tomé, muito embora eu sempre ache que preciso de óculos novos, as vezes nem creio no que vejo...rs


Beijão

Dama de Cinzas disse...

Bom senso antes de tudo, amiga! Claro que quando ouvimos algo no primeiro instante aquilo te causa um impacto que deverá passar pelo filtro da sua razão... Senão do que serve nossa inteligência?

Beijocas

Cristiano Contreiras disse...

Muito bom a proposta do seu blog, um universo de informação, conceito e temáticas. Gostei da forma como propoe certa reflexão nos posts e em outros você compartilha opinioes.

Vi que tem um publico definido, isso é fantastico, parabens!

Ja sou novo seguidor/leitor! abs e te linkarei ao meu.

Bill Falcão disse...

Acho sempre bom a gente investigar essas informações, antes de tomar algum partido, Carol!
Bjoooo!!!!!

Valéria Martins disse...

Oi, Carolina! Bem... Fofoca? Só sobre artistas e gente que conheço de longe. Fofocas a meu respeito? Devem ter havido muitas... Mas faço que nem naquela música: Tô nem aí, tô nem aí!...

Normalmente eu julgo pelo meu sentimento. Se a pessoa não é boa coisa, eu sinto no ar. Não costumo me enganar. Aí é só manter distância. Beijos!

Nine disse...

Carol, é aquela história da peneira, né... A gente sempre tenta (embora nem sempre consiga) avaliar quem trouxe, se isso acrescenta alguma coisa, ou se vai apenas prejudicar, ou pior não vai interferir em nada, é o falar mal por falar, porque não tem nada mais interessante para conversar, aí se fala do outro..

Já fui dos dois lados, confesso, mas hoje ando bem introspectiva, e quando me trazem alguma coisa, geralmente minha atitude é semelhante a tua: alguns grunhidos de interação, e análise de multipontos de vista, geralmente fico devaneando em pensamentos meus, e nem ouço, se sinto que é para maldade, ou peço licença, e saio pela esquerda... hehehe!!!

Mas é assunto delicado, pq em geral isso é levado adiante, de pessoa em pessoa, e sempre acaba em catastrofes, se for em ambiente de trabalho, então, encrenca na certa, né!!!

BEijooooo, flor!!!

Ah, e sabe o que é interessante, é desmascarar as pessoas quando elas vem com historinhas (tb não sou certinha, gosto de provocações que causem reflexão...hehehe), tipo, elas chegam falando mal, e vc propoe que ela repense, diga que talvez seja precipitada, a pessoa recua, e acaba desistindo da fofoca. Uma bela tática que tem funcionado no meu trabalho, especialmente!!!!

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Carolina,

Nunca fui na onda de opinião comunitária. Sempre esperei pra ver e tirei minhas próprias conclusões. Tem gente que vive pra difamar o próximo e esse tipo de comportamento é próprio de gente pequena. Adorei o texto!


Beijo grande, menina linda.


Rebeca


-

Mahria disse...

Quando alguém conta um fato que desabona, que mancha a imagem e mexe com a reputação de um terceiro você acredita, fica desconfiado ou permanece com a sua opinião?

Mah - Fico desconfiada.

Você acredita no que vê ou no que te falam?

Mah - No que vejo.

Pesa pra você o histórico daquela pessoa ou sai julgando no impulso?

Mah - Pesa o histórico.

Poderei dizer que contra dados e fatos não há argumentos.
É assim pra você?

Mah - Depende dos dados e dos fatos e de quem os levantou. Sendo assim, há argumentos sim.

E até a última instância eu prefiro acreditar em quem argumenta, em quem de alguma forma se defende. Porém a alguns dias atrás eu não tive a sabedoria para filtrar e "tentar através de outros caminhos analisar, com distanciamento e neutralidade" uma situação na qual fui envolvida.
Uma pena porque acabei me sentindo culpada em uma situação em que fui projudicada.

Bjs
Mahria

PS
Querida posso usar esse comentário, como um post futuro em meu blog? (com os dévidos créditos, claro) porque esse post caiu como uma luva nessa situação da qual comentei.

Mahria disse...

Linkei você ao Entretantas...Eu!
Você escreve muito bem, gostoso demais de ler e beber do seu café. Apartir de agora parada obrigatória para um papo.


Bjs
Mahria

Elaine Crespo disse...

Carol !!

Perfeito teu post!!
Retrata tudo que passamos nesta vida dita moderna!!

Antigamente, que não faz tanto tempo, a fofoca era mais animada!! (risos)

Bem não perco a esperança de setar e tomar um café contigp e batermos um papo!!:D

Grata por comentar sempre! Mais corro pra postar e deitar um pouca para melhorar!! Depois do câncer o pique mudou!

Muitos beijos!!

Elaine


P.S:A pagina do blog com o selinho http://elainecrespo.blogspot.com/2009/10/selinho-presente-de-debora.html

Lili Tormin disse...

Olá Carol, passando pra dizer um Oi!!

Boa semana

=]

Dalva disse...

Carolina

Tudo o que escutamos, se tiver o intuito de fofoca, precisa ser pesado e balanceado, porque certamente existe muito de exagero e maldade... O ideal é não deixar a pessoa fazer o tal comentário: afinal, como ela está falando de outra pessoa prá gente, ela também vai falar da gente pra outros, não é?

Bjs.

SONIA CHIQUE disse...

Adorei o texto!
Uippp...!!!Sou pessoa polêmica e acho incrível quem mostra a cara até nas palavras!
É isso aí!
Sem tempo para tomar café,mas vim aqui para dizer que amei a sua visitinha nos blogs.
Uippp...!
Bjsss...

Valéria Martins disse...

Obrigada pela força, querida. É que às vezes eu fico sem assunto, sem saco... Mas tenho que ficar firme, porque passa. É que nem casamento!

Beijos!

Lay. disse...

Não vou muito pela opinião dos outros. Antes de julgar procuro conhecer primeiro (na maioria das vezes kkkk).

Sim amo tmb aquela fala do Edward *.* kkkkkk
Obrigaaada pelas visitas!
beijooos