quinta-feira, 17 de junho de 2010

Nada explica tudo



Falácia. A sonoridade desta palavra é forte. Eu gosto.

“Nosso amor é uma constante, jamais mudará.”
Isto é uma falácia por si só e ponto! Mudamos sempre, só quem não muda é parede. Se o nosso olhar esteticamente falando “amadurece” porque o lado interno vai permanecer engessado. Sendo assim nada mais natural do que percepções serem transformadas, novos olhares, novos sentimentos surgem. Porque o desconhecido que surge com a sensação da mudança deve ser um  sentimento claustrofóbico, desagradável e de mau cheiro?
Mudar não é pejorativo, não precisa ser sempre algo ruim, tomado de maus presságios. Nada nos impede de mudar para melhor, aceitar as mudanças implica em acreditar que mudar não necessariamente é diminuir o amor que temos pelo parceiro (a). Claro que assim como nós, o amor tem suas fases. Mudança não é ameaça, é oportunidade! Não seja refém de você mesmo. Quem se faz de vítima, vira vítima e leva os outros pro calabouço na armadilha do seqüestro nunca antes anunciado literalmente.


Paradoxo. Gosto da complexidade do que vem no pacote desta palavrinha danada.

“Não sei onde errei. Minhas horas eram dele. Eu fiz de tudo pra ele enxergar somente eu, inclusive estávamos sempre juntos, em todas as horas em todos os momentos.”
Faça um teste. Tente atravessar a praia até o calçadão com um punhado de areia nas mãos. Se você apertar a areia, provavelmente chegará ao objetivo sem um grão.
Agora se fizer uma concha com a sua mão e deixá-la aberta, com o olhar atento na rua e na sua preciosa areia, a probabilidade de chegar com um punhado de areia no destino traçado é grande.
O amor é mais ou menos assim, atenção, cuidado e carinho em doses certas mais a liberdade devida são bons ingredientes pra se ter alguém do lado. Isto tem nome: relação saudável. E nisto reside o paradoxo do amor, quanto mais preso, mais vontade de liberdade, quanto mais livre, mais vontade de ficar perto de você.

13 comentários:

VaneZa disse...

O amor é bem paradoxal, mesmo! Nós somos paradoxais. Também adoro essa palavra e lembro a primeira vez que a pronunciei (é... eu tenho uma memória fantástica). E, realmente, quanto mais livre... mais vontade de estar perto. Quando a relação sufoca... mais vontade você tem de estar livre.
Esse é o ponto chave de qualquer relação, seja amorosa, familiar, de amizade... em fim. Até a nossa relação com os animais (pasme), a minha gata só vem procurar carinho quando eu deixo ela um pouco de lado. Quando eu sufoco ela igual a Felícia... já viu... as cicatrizes dos arranhões falam por mim.

Debor@h disse...

Verdade amiga, adorei o exemplo da areia! Todos nós temos direito a liberdade e não devemos forçar o amor, pois quem é que quer alguém do nosso lado à força, amor não é prisão! Bjsss

Debor@h disse...

Verdade amiga, adorei o exemplo da areia! Todos nós temos direito a liberdade e não devemos forçar o amor, pois quem é que quer alguém do nosso lado à força, amor não é prisão! Bjsss

Babi Mello disse...

Carol muito bom e sabe qdo acaba ficamos nos perguntando: onde erramos? e se acabou de certa forma não entendemos no começo, sofremos e só o tempo vai dizer se foi ou não melhor e a mudança é necessária, para afinal não ficarmos no ócio.
Linda reflexão.
Bj e bom findi

Hakime Goul Djounoubi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hakime Goul Djounoubi disse...

Concordo totalmente quanto à mudança, mudar é não somente uma inevitabilidade, como igualmente uma necessidade! Mas há que se reconhecer que nós somos frágeis demais, e por isso o medo da mudança surge naturalmente, como uma tentativa de protegermo-nos do que é novo e parece ameaçador num primeiro momento.

E até mesmo as paredes mudam! Podem virar ruínas, ou serem expandidas numa reforma da casa...

Adorei também a tua metáfora da areia na praia... Aliás, nunca vi o mar, e este é um sonho meu muito terno dentro de meu coração, a imagem falou directamente em meu cérebro por causa disso!

Bem haja, amiga, e au revoir! É sempre um prazer ler-te.

Dama de Cinzas disse...

Muito bom seu post! É bem o que penso mesmo... Quer ver uma frase que eu odeio ouvir, seja pra mim, ou num filme, ou seja lá onde for?

- Eu vou te amar pra sempre, nunca vou te deixar!

Ninguém, de forma alguma, em situação nenhuma pode prometer tal absurdo. E olha que uma vez eu tava tããããão apaixonada que acreditei e sofri muito quando acabou , achei que ele tinha me traído. Olha que loucura?! Depois disso tomei raiva dessa frase... rs

Beijocas

Dalva disse...

Mudar é saudável... a vida é constante evolução e mudar faz parte e o relacionamento precisa se adaptar às mudanças que cada um sofre ao longo do tempo, senão fica estagnado, não é amor, e sim rotina...

Bjs.

.ailton. disse...

belíssimo texto!

Éverton Vidal Azevedo disse...

Olha, concordo e concordo.
Somos relativos, paradoxais, e... até contraditórios (a contradiçao é diferente do paradoxo, por acaso rs).

Gostei do texto.

Paty disse...

Gostei!
Concordo demais com o paradoxo apresentado no final do post, pois é exatamente o jeito que me sinto. Quanto mais sufocada, mais quero distância... preciso sentir falta, sentir saudade, para ter vontade de ficar por perto.

E mudanças, ainda que, depois de um tempo, sejam para melhor, sempre e toda vida me assustam...

:*

Denise do Egito disse...

Carol,

Eu adoro o tempo, o amadurecer, o crescer, o evoluir. Adoro a palavra evolução. Por isso, é difícil pra mim ter o olhar engessado. Penso que estou sempre buscando um aperfeiçoamento espiritual. Pelo menos, estou tentando e tenho esperanças de estar conseguindo.
Belo post para reflexão...
Um beijo pra você

Valéria Martins disse...

Mudar é bom. Algo se vai, algo novo chega. Mas isso não pode ser uma desculpa para não se aprofundar nas coisas.

Beijos!