sábado, 26 de junho de 2010

O momento é tudo.

Três vezes genial!
O início deste livro se apresentou para mim com único propósito, de mostrar os dois lados de uma mesma moeda, a visão do traidor e do traído. Quem já participou de forma ativa dos dois lados sabe que não é fácil de forma alguma para nenhum dos protagonistas. Trair não é só prazer e glórias, assim como sabemos que ser enganado dói, esgota e fracassa, o traidor de algum modo também traz suas marcas e feridas. Eu falo aqui da traição quando inevitável, não como esporte, que é mais comum e só traz uma consequência, a banalização dos sentimentos. É fácil falar de traição e da dor de ser traído, é o que mais fazemos. É oassunto que persegue o nosso imaginário rodeado de temores. A dor do vitimizado. E a dor do que causou o sofrimento e não teve como fugir do papel de carrasco, seja lá qual foi o motivo?

Experimente provar do gosto amargo de trair e saberá que nada minimizará o peso da culpa, por mais feliz que sejamos com a escolha feita. Toda escolha tem seu quinhão de rupturas e dores.

Quanto mais eu lia e mais envolvida ficava na escrita bem construída, foi descortinando outro tema que não deixa de estar relacionado diretamente com o que pensei no começo da leitura. Muito mais que dor, que vem no pacote da traição, o livro mostra a outra face sobre as escolhas que precisamos fazer. Escolhas de olhos abertos.

Neste livro ela usa e abusa das analogias de forma original, criando espaço para a liberdade de pensamento e sustenta o livro todo com uma escrita envolvente. Cada frase é uma construção.  Fui empática com a narrativa e faminta, o tempo todo, pelo próximo capítulo. E o que me cativa num bom livro é a fome que ele produz em mim.

Este livro fala dos duelos internos que se apresentam nas nossas vidas, mas ele não fica no “se isto ou aquilo tivesse acontecido...”

O momento é tudo - diz um dos personagens. O livro se desenvolve exatamente nesta virada de chave, neste clique que acontece nas nossas vidas. Momentos que estamos super conscientes de que não importa a escolha que faremos, ela alterará o curso da nossa história. Você, com certeza, já viveu isto. Eu também.

Irina é uma mulher casada e se depara com a possibilidade de beijar um amigo numa determinada situação e é neste instante que a história congela e se divide em dois mundos paralelos onde ela vai contando se tivesse beijado o cara e noutro em que ela não beija. As duas escolhas trará várias conseqüências, positivas e negativas. Ela extrapola todas as possibilidades desta vida em comum com os dois homens da sua vida. 

Aqui não é o acaso operando na vida, é a escolha que pontua as opções.

 Belíssima história. Ótimo desfecho. Vale a pena ler!

14 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Deve ser bem interessante! Realmente qualquer escolha que a gente faça, influencia nossa vida, dá um novo rumo, não existe escolha que nos deixe estagnados, mesmo quando resolvermos estagnar, aquilo estará nos levando pra algum objetivo...

Beijocas

Debor@h disse...

Carol, obrigada pelo resumão do livro, tenho que ler!!! Você tinha me falado desse livro e de outro tb que anotei, e agora depois de ler seu post eu tenho que ler!! Assim que acabar os 3 que comprei e estou lendo, vou buscar por seus livros. Obrigadão pela dica! Beijão! Hoje é tudo ão ahah !

Paty disse...

Nem precisaria da capa pra chamar a atenção, só o modo que tu escreveu basta. Uma ótima resenha, Carol!

Sou agora mais uma curiosa na lista, com vontade de ler. :D

E, estando ainda no papel de vítima, mal posso esperar pra imaginar o que sentiu na pele o meu traidor hahahah, pela escolha que fez, e que nos causou grandes possibilidades e consequencias...
interessante trocar de lugar.

Beijos!

Heloísa disse...

Carolina,
Vou anotar essa sugestão. Deve ser um livro bem interessante.
Beijo.

Babi Mello disse...

Carol interessante a história desse livro e sabe terminei o Um toque na Estrela e sabe qdo estiver mais velha terei que ler novamente, para poder entender de fato o que a personagem Alice sentia. E fico feliz por ter gostado da peça, aproveitei o momento de copa da fazer uma referência a vacinaçaõ.
bj e fica com Deus!

Sac do Amor disse...

Ah, se eu não estivesse com tantas leituras atrasadas! Gostaria muito de ler este livro, vejo aqui pelo teu blogue que és uma leitora muito selectiva e voraz.

Olha, carolina, o que falas sobre escolha é mesmo muito certo: "Toda escolha tem seu quinhão de rupturas e dores." Escolher faz parte da vida.

Sobre ser traído, eu já fui, e não só doí, como destrói a confiança da pessoa. Trair deve ser ruim, sim, apenas se há amor, se não há então é uma escolha mais ou menos fácil, mas esta é a minha opinião, e eu respeito e entendo a tua.

Adorei teu comentário sincero lá no Sac do Amor, e és das nossas melhores seguidoras. Abraços cordiais, para ti que tens o mesmo nome de minha irmã mais amada e que em breve visitarei...

Boa semana, Carolina.
Monsieur Cvet z Juga.

Dalva disse...

Também já ouvi boas indicações sobre este livro e pretendo inclui-lo em minha lista.

Bjs.

Denise do Egito disse...

Carol,
Todos nós, que já fomos ou somos casados ou comprometidos, estamos sujeitos a isso. Concordo com você que nenhuma das partes fica totalmente zen a não ser que não haja um pingo de consideração e respeito pelo outro.

Mudando de assunto, amiga. Uma menina de Curitiba plagiou um texto meu e até o pensamento do dia e a dica zen. Vc conhece? Sabe como é, esse mundo é tão pequeno:
http://www.fotolog.com.br/frandachery/44325341

Sentimentalidades-Todas disse...

Carol
Por várias vezes pensei em comprar esse livro, mas não conhecia o autor e nem tinha alguma referencia de quem o tinha lido. Agora é certo, será a próxima aquisição com tranquilidade.

Obrigada pela sua visita lá no sentimentalidades. Obrigada por ter me feito "companhia" naquele répúdio ao machismo feminino (o que mais me assusta, por certo). Como tanta mulheres podem ter achado "lindo" aquele post????

Volto outras vezes para te ler com calma, e para tanto, estou te seguindo, tá?
bjs
Mônica

Mirtes disse...

Carolina, que ótima dica para leitura e com a sua sinópse convenceu mais ainda a procura... já passei pelos dois lados da história, não é nada fácil, enganar-se a si mesmo não é saudável.

Beijos querida

ale disse...

Hummm...deu vontade de ler. Bjoca!

Jaque Gonchoroski ઇ‍ઉ disse...

Bela dica :)

E concordo que não deve ser fácil nenhum dos dois papéis. Eu já fui traida e é a pior sensação do mundo.
Nunca trai mas imagino que deva ser horrivel mesmo. Aquela sensação te pressionando e vc se perturbando...

Por isso que eu digo, pra que trair? Termina de uma vez!

Beijoos

Elaine Crespo disse...

Carolina!

Antes de mais nada me emocionei com sua carinhoso e terno comentário em meu blog! Adoro ser lembrada e de forma carinhosa como você, só me fortalece e me mostra que tem amigos que mesmo longe se preocupam em me dar um aconchego. Obrigada mesmo de coração!

Quanto ao livro vou correndo comprar depois te falo que achei!:D
Realmente um tema muito interessante!

Um lindo dia!

Um beijo no coração!

E vamos pra porto qualquer dia!:D

Elaine

Bill Falcão disse...

Esses duelos internos são terríveis!
Sua sinopse mostra que o livro é mesmo muito bom! O tema ajuda.
Bjooo!!!