sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Cada mergulho ...um flash


Pra fechar a semana vou falar da figura Contardo Calligaris. Psicanalista e super carismático.
Veio a Poa, esta semana, a convite do Fronteiras do Pensamento e infelizmente não fui, mas a um tempo atrás, em SP, assisti um bate papo dele num evento onde ele falava de felicidade.
Neste dia ele disse que não se interessava pela felicidade. Que já esteve com ela, mas o mais interessante era a intensidade das emoções/experiências, boas ou ruins. Que cada dor é única e nos faz mais vivos, mais latente. E é importante viver intensamente cada sentimento se não estaremos sempre na superfície das coisas. Isto é sentir a experiência.
Concordo.
Não dá pra nadar no raso sempre, águas rasas são dúbias, de vez em quando é necessário alguns mergulhos, mesmo que seja no escuro...e ninguém avisou que esvaziaram a piscina!

7 comentários:

Menina de óculos disse...

Menina...ontem mesmo eu dei aula de interpretação com um texto do Calligaris. Achei muito engraçado chegar aqui e encontrar vc falando dele. Rs...
Concordo quando vc diz que não é possível viver na superfície. Viver exige emoções intensas, mesmo que algumas delas nos tragam sensações não tão boas.

Beijo grande

ale disse...

Ué, o comment que deixei aqui hj de manhã sumiu! Repito, então: ultimamente tenho mergulhado bastante e é muito bom. "Boiar" sempre não tá com nada, se bem que às vezes é bom também! Tudo na sua medida. E acho o Contardo Calliga um charme. Já pensou um papo com ele na lancheria?

Dany disse...

Algumas pessoas temem nadar n fundo por medo de se afogarem... mas eu gosto do novo, do inesperado... só assim é possivel viver intensamente e saborear tudo o que a vida tem a nos oferecer!
Bjs

Carolina disse...

Fran, que sintonia fina, hein? Queria ter assistido esta aula!

Alezica, tu já pensou um papo com ele? Com certeza viraria amiga de infância dele, com direito a umas coisitas a mais de vez em quando.hahaha. Italiano tudi booom!

Danny, acredito que na maioria das vezes o risco e o medo é a metade do prazer,como diz a Ale, boiar às vezes é necessário, mas viver eternamente a margem não é saudável. A gente acaba vendo a vida da janela,né?rsrsrs

bjokas a todas meninas guerreiras que aqui se encontram e um belo domingo pra nós!

Não Somos Apenas Rostinhos Bonitos disse...

Lindo e verdadeiro demais!!!!
O Contardo Calligaris é o máximo.

Valéria Martins disse...

Oi, Carol! Obrigada por sua visita. Também gostei do seu blog.
Conheço o Contardo, fiz o lançamento do livro dele "Cartas a um jovem terapeuta" e assisti sua palestra na Flip deste ano. Depois, procura lá no blog e lê.
O que ele propôs na palestra, tem que ter "culhões" (falando em linguagem bem masculina) para fazer. Nós, mulheres, não temos culhões, mas temos muita fibra - às vezes, acho que até mais que os homens - para empreender esses mergulhos.
Comprei o livro do Contardo na Flip e já li: "O conto do amor". É bonitinho, mas um primeiro livro, com certeza. Ele tem que amaciar a escrita e aí, creio, vão sair coisas maravilhosas.
Beijocas, volte sempre.

Carolina disse...

Oi Valéria, que bom te ver por aqui.
Também li o livro dele O conto do amor e gostei, tbém achei que é um 'ensaio' daquilo que ele pode explorar e com certeza irá. Vamos ficar na torcida.
E concordo contigo, não temos culhões, mas uma fibra minha amiga que mais lembra o bambu que pode até envergar, mas não cai. Só lamento que muitas de nós, só descobrimos a nossa força nos momentos limites.
bjos e sinta-se em casa!