sábado, 11 de outubro de 2008

Espelho, espelho meu... ?


De vez em quando faz um bem danado pra pele e pra alma fazermos esta perguntinha incômoda ao nosso espelho interno. O efeito é milagroso. Em alguns casos, é praticamente um ácido daqueles que o dermato nos recomenda após alguns anos de vida, sabe? Apesar da lei da gravidade, requer paciência e disciplina no uso constante do produto.

Somos aquilo que ninguém vê ou somos justamente aquilo que os outros enxergam e demoramos a perceber? É problema de auto estima em baixa ou em alta?

Muitas vezes quando queremos esconder alguns lados esquecemos que a essência grita mais alto e é humanamente impossível esconder ou enganar por muito tempo. As "rugas" vão aparecer!

Ao primeiro tropeção, a gente desce do salto e roda a baiana como qualquer mortal. E aí aquela pose toda cai por terra. O machucado pode ser roxo tamanho a queda!
Fugir de si mesmo é uma tarefa ingrata porque a cada quebrada da vida a tua essência está por ali, a espreita, muitas vezes com um sorriso sardônico ( ou irônico, como queira fazer a leitura) a te saudar.

Vou fazer um paralelo: meu lhasa apso , querido Rashi, quando ganha de presente um osso fica tão enlouquecido que esconde tão bem escondido que nem ele acha depois e aí a tarefa é minha e da Vic de procurar o tal osso e ele no nosso pé, chorando feito bebê, no auge do seus 11 anos.
Assim são as pessoas e as criaturas, muitas vezes escondem tão bem seus lados mais recônditos que nem elas se acham no meio do disfarce. Se perder também requer cuidados, podemos no meio do caminho, sofrer algusn tropeços. Bater a cabeça, machucar o joelho e etc....

Outro dia numa seleção de pessoas, na empresa, observei que todos os entrevistados , quando se apresentavam, diziam assim:
- Eu sou boa mãe
- Eu sou ótima esposa
- Sou uma pessoa muito boa
- Sou ótimo filho ...
e por aí foi a reza braba de auto elogios. Fiquei bege!
Cruzes, será que as pessoas são assim mesmo ou elas se enxergam desta forma?

Quem eu sou? Esta talvez seja a pergunta mais difícil de sua vida. Muitas vezes partimos do outro para achar a resposta, nos comparando, criticando, julgando e repelindo quando a (maldita?) resposta está ali bem ao alcance de você, basta mexer nas suas gavetinhas mentais e emocionais.
Tem gente que não quer mexer, pode feder. Neste caso optam por serem tábulas rasas.
Na procura de mim posso achar outros eus bem interessantes e descobrir , no meio da busca, lados fantásticos que me fizeram chegar até aqui e que antes nem de perto desconfiava ser parte do meu eu completo e complexo. O inesperado seduz e desdobra facetas que nos conduz muitas vezes a uma liberdade ainda não saboreada..
O caminho pode ser tortuoso, mas a chegada pode ser compensadora.

7 comentários:

canseidexuxu disse...

Lindo texto! Muito verdadeiro!

Acho que o maior erro é se medir, ou se conhecer, pela comparação com os outros. Dessa forma a frustração vem e você continua sem saber se é, ou "se faz"...

Beijos e bom finde!!!
Xu

Camila disse...

Que lindo isso, Carol!

É realmente muito difícil de definir. Quando as pessoas são questionadas sobre como eles são, elas têm mania de responder o que ela são, mãe, amiga, médica professora... Mas não foi essa pergunta!!! Eu acho que é porque para se definir é preciso se conhecer e nem todas as pessoas, infelizmente, têm essa capacidade. Esse sim é um exercício diário e árduo que não ensinam nem na colégio e nem na faculdade, só a vida faz isso pra gente.

Bom fim-de-semana pra você!
Beijos!!!

Ah... Hoje e amanhã não vou estar no meu conto de fadas, mas lá tem o link de onde estou. Vai lá me visitar e dizer o que você achou, tá?

Loira e Morena disse...

Adoro seus posts, os textos sao sempre bons, nos faz refletir!!!
Lindo mesmo!!!

Muitas vezes nós nos comparamos para tentar nos "achar", principalmente na adolescencia né!!..ate descobrirmos que cada pessoa é única..nao adianta querer o que nao somos...hehe

Beijocas da Loira

Loira e Morena disse...

Ah Carol, espero viver essas cenas novamente e looogo..ahahahhaha

Beijocas da Loira

Bill Falcão disse...

Eis aí uma pergunta difícil, Carol!
Por isso, as pessos respondem "sou boa mãe, bom filho" e etc e tal. É o mais fácil, apesar da verdade ser outra!
E um bjooooooooooo!!!!!!!!!!

Dany disse...

adorei... lindas palavras!
Já fui muito de me comparar, de procurar saber pq não sou desse ou daquele jeito, mas hj me aceito como sou e quando me pergunta o que sou, o que faço ou o que tenho, eu simplesmente digo: eu sou feliz, faço feliz aqueles que me cercam e tenho felicidade ainda pra dar e vender... mesmo em momentos difíceis!
;)
Bjs

Dedinhos Nervosos disse...

Lindo texto mesmo. Às vezes escondemos tão bem das pessoas alguns traços que não gostamos, que acabamos por esquecer de que eles estão lá. Acho que o certo é tentar melhorar o que não está legal para que a surpresa ingrata não estrague nada.

Uma coisa bacana que comecei a fazer depois que li a dica em algum lugar é tentar me ver de fora. Como um estranho atrás de mim, mas que consegue ver minha alma... meuss pensamentos... minhas memórias. É uma experiência bem reveladora, mas nem sempre agradável. A parte boa é que consegui melhorar algumas coisas.

Bj.