quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

A impotência diante da vida

Tem momentos que eu gostaria de ser a mão que define o destino para ter o poder de decidir de forma justa aquilo que está errado pra mim. 

Para desviar dos que amo o sofrimento, ficar somente ao lado transmitindo amor, carinho e apoio não suaviza a angústia de me sentir impotente diante do que já está escrito como fato consumado.

A revolta me consome,  não há paz na injustiça, meu coração pesa e por mais que a peleia seja dura, a persistência me impulsiona a seguir o embate, mas nada me ilude de que a derrota é eminente. Restando, dentro de mim, um cansaço mental e físico descomunal.

Nesta hora é importante entender que sofrimento é combustível, não pode ser veneno. Por mais que me sinta irracional diante da dor dos amados. Não há razão que estanque a dor.
Mas não consigo, nesta hora, objetivar nada. Me permito optar pelo emocional nesta situação.

6 comentários:

Depois dos 25, mas antes do 40! disse...

Não é fácil aceitar esta impotência. A vida é cheia de percalços que nos fazem ver que somos frágeis e pequeninos.

mas a revolta nunca é o melhor caminho e, ao menos, para mim, ter foco em um objetivo lá na frente ajuda a, ao menos, caminhar.

beijos

Heloísa disse...

Carolina,
Acho que essa sensação de impotência é uma das piores que podemos ter.
Espero que o problema que a aflige tenha a melhor solução possível.
Beijo.

Teórico disse...

A impotencia diante da vida é uma coisa que leva ao desespero, estar de mãos e pés atados é uma sensação de invalidez, inutilidade horríveis. Nesses casos a revolta é totalmente permitida, porém pouco significativa... infelizmente.


Beijos

Dama de Cinzas disse...

Apredi que nessas horas a melhor coisa a fazer é ficar quietinha esperando a tempestade passar!

Eu faço isso e como gostaria de ser a mão do destino pra mudar só um aspecto da minha vida!

Beijocas

Debor@h disse...

Carol amiga, não sei o que se passou, mas sei que tudo estará bem, mais cedo oumais tarde. A vida é complicada as vezes e não podemos ter controle sobre tudo, temos que aceitar o ocorrido, as vezes é necessário lutar, dependendo do caso é claro. Se não existe nada que se possa ser feito, então não faça nada. Senta, medite, leia um livro ou se ocupe com coisas que vc gosta de fazer. Se tiver algo que possa ajudar, tô longe mas por aqui hahah Adorei te conhecer viu, mesmo virtualmente hahah Beijão!!!

Denise do Egito disse...

Carol, ontem, meu diretor comentou sobre a questão dos pobres e dos ricos e de quanto injusta é a vida. Para os pobres, uma vida de dificuldades e, às vezes, muito sofrimento sem acesso a hospitais dignos e medicamentos. Para os ricos, tudo a mão, melhores hospitais, melhores condições de moradia, tudo do bom e do melhor. Então, eu falei: "a vida não é justa". Pois é. A vida, que tanto amamos, não é justa e somos todos, Carol, não só você, totalmente impotentes a qualquer mudança que a vida, o destino, Deus, seja lá o que for, nos impõe.
Força, amiga e ore a Deus. Não há mal que sempre dure.
Desculpe pelo longo comentário...
Um beijo e feliz Natal, querida